sexta-feira, 24 de Julho de 2009



"Há coisas que não são para se perceberem. Esta é uma delas. Tenho uma coisa para dizer e não sei como hei-de dizê-la. Muito do que se segue pode ser, por isso, incompreensível. A culpa é minha. O que for incompreensível não é mesmo para se perceber. Não é por falta de clareza. Serei muito claro. Eu próprio percebo pouco do que tenho para dizer. Mas tenho de dizê-lo.

O que quero é fazer o elogio do amor puro.

Parece-me que já ninguém se apaixona de verdade.

Já ninguém quer viver um amor impossível.

Já ninguém aceita amar sem uma razão.

Hoje as pessoas apaixonam-se por uma questão de prática. Porque dá jeito.

Porque são colegas e estão ali mesmo ao lado. Porque se dão bem e não se chateiam muito. Porque faz sentido. Porque é mais barato, por causa da casa. Por causa da cama. Por causa das cuecas e das calças e das contas da lavandaria.

Hoje em dia as pessoas fazem contratos pré-nupciais, discutem tudo de antemão, fazem planos e à mínima merdinha entram logo em "diálogo". O amor passou a ser passível de ser combinado. Os amantes tornaram-se sócios. Reúnem-se, discutem problemas, tomam decisões.

O amor transformou-se numa variante psico-sócio-bio-ecológica de camaradagem.

A paixão, que devia ser desmedida, é na medida do possível. O amor tornou-se uma questão prática. O resultado é que as pessoas, em vez de se apaixonarem de verdade, ficam "praticamente" apaixonadas.

Eu quero fazer o elogio do amor puro, do amor cego, do amor estúpido, do amor doente, do único amor verdadeiro que há, estou farto de conversas, farto de compreensões, farto de conveniências de serviço.

Nunca vi namorados tão embrutecidos, tão cobardes e tão comodistas como os de hoje. Incapazes de um gesto largo, de correr um risco, de um rasgo de ousadia, são uma raça de telefoneiros e capangas de cantina, malta do "tá bem, tudo bem", tomadores de bicas, alcançadores de compromissos, bananóides, borra-botas, matadores do romance, romanticidas.

Já ninguém se apaixona? Já ninguém aceita a paixão pura, a saudade sem fim, a tristeza, o desequilíbrio, o medo, o custo, o amor, a doença que é como um cancro a comer-nos o coração e que nos canta no peito ao mesmo tempo?

O amor é uma coisa, a vida é outra.

O amor não é para ser uma ajudinha.
Não é para ser o alívio, o repouso, o intervalo, a pancadinha nas costas, a pausa que refresca, o pronto-socorro da tortuosa estrada da vida, o nosso "dá lá um jeitinho sentimental". Odeio esta mania contemporânea por sopas e descanso. Odeio os novos casalinhos. Para onde quer que se olhe, já não se vê romance, gritaria, maluquice,facada, abraços, flores.

O amor fechou a loja.

Foi trespassada ao pessoal da pantufa e da serenidade.

Amor é amor. É essa beleza. É esse perigo.
O nosso amor não é para nos compreender, não é para nos ajudar, não é para nos fazer felizes. Tanto pode como não pode. Tanto faz. É uma questão de azar.

O nosso amor não é para nos amar, para nos levar de repente ao céu, a tempo ainda de apanhar um bocadinho de inferno aberto. O amor é uma coisa, a vida é outra. A vida às vezes mata o amor. A "vidinha" é uma convivência assassina.

O amor puro não é um meio, não é um fim, não é um princípio, não é um destino.

O amor puro é uma condição. Tem tanto a ver com a vida de cada um como o clima.

O amor não se percebe. Não é para perceber. O amor é um estado de quem se sente. O amor é a nossa alma.

É a nossa alma a desatar. A desatar a correr atrás do que não sabe, não apanha, não larga, não compreende.

O amor é uma verdade. É por isso que a ilusão é necessária.
A ilusão é bonita, não faz mal.

Que se invente e minta e sonhe o que quiser. O amor é uma coisa, a vida é outra.

A realidade pode matar, o amor é mais bonito que a vida.

A vida que se lixe.

Num momento, num olhar, o coração apanha-se para sempre. Ama-se alguém. Por muito longe, por muito difícil, por muito desesperadamente. O coração guarda o que se nos escapa das mãos. E durante o dia e durante a vida, quando não esta lá quem se ama, não é ela que nos acompanha - é o nosso amor, o amor que se lhe tem. Não é para perceber.

É sinal de amor puro não se perceber, amar e não se ter, querer e não guardar a esperança, doer sem ficar magoado, viver sozinho, triste, mas mais acompanhado de quem vive feliz.

Não se pode ceder. Não se pode resistir.

A vida é uma coisa, o amor é outra.
A vida dura a Vida inteira, o amor não.

Só um minuto de amor pode durar a vida inteira. E valê la também."

segunda-feira, 15 de Setembro de 2008

Mamonas Assassinas - Uma Arlinda Mulher










Te encontrei toda remelenta e estronchada
Num bar entregue às bebida
Te cortei os cabelos do sovaco e as unhas do pé
te chamei de querida
Te ensinei todos os auto-reverse da vida
e o movimento de translação que faz a terra girar
Te falei que o importante é competir
mas te mato de pancada se você não ganhar
Você foi agora a coisa mais importante
que já me aconteceu neste momento,
em toda a minha vida
Um paradoxo do pretérito imperfeito,
complexo com a teoria da relatividade
Num momento crucial um sábio soube saber
que o sabiá sabia assobiar
E quem amafagafar os mafagafinhos
bom amafagafigador será
Te falei que os pediatra é o doutor
responsável pela saúde dos pé
O zoista cuida dos zóio e os oculista
Deus me livre nunca vão mexer no meu
Pois prá mim você é uma besta mitológica
com cabelo pixaim parecida com a Medusa
Eu disse isso prá rimar
com a soma dos quadrado dos catetos
é igual à porra da hipotenusa
Você foi agora a coisa mais importante
que aconteceu neste momento,
até hoje em toda a minha vida
Um paradoxo do pretérito imperfeito,
complexo com a teoria da relatividade
Num momento crucial um sábio soube saber
que o sabiá sabia assobiar
E quem amafagar os mafagafinhos
bom amafagafinhador será
Eu fundei a Associação Internacional
de Proteção às Borboletas do Afeganistão
Te provei por B mais C que a menina
dos teus zóio não tem menstruação
Dar um prato de trigo prá dois tigres e
ver os bichos brigando é legal que só
Pois nos "tira e põe", deixa ficar da vida
sempre serei seu escravo-de-Jó
Logo agora que você estava quase entendendo
o que eu estou falando
a canção está acabando e o Creuzebek está
baixando alí o volume
e você não entende nada mesmo
por que quando você estiver em sua casa nesse momento
a música vai estar baixinha
e você não vai entender nada não sei nem por que eu estou falando esse monte de besteira
já que tudo isso é... porra, vamos parar com esse papo chato!
Vamos lá, eu já não estou aguentando mais
está doendo minha garganta
eu tenho que fazer alí gargarejo com vinagre
soltei um peido aquí dentro (caralho!)
está fedido o ambiente meus dedos estão dormentes
PelamordeDeus, parem com esta porra!

terça-feira, 19 de Agosto de 2008

Long Nights - Eddie Vedder








Have no fear
For when I'm alone
I'll be better off than I was before
I've got this light
I'll be around to grow
Who I was before
I cannot recall
Long nights allow me to feel...
I'm falling...I am falling
The lights go out
Let me feel
I'm falling
I am falling safely to the ground
Ah...
I'll take this soul that's inside me now
Like a brand new friend
I'll forever know
I've got this light
And the will to show
I will always be better than before
Long nights allow me to feel...
I'm falling...I am falling
The lights go out
Let me feel
I'm falling
I am falling safely to the ground
Ah...

quarta-feira, 9 de Julho de 2008

É preciso sempre saber quando uma etapa chega ao fim...


É preciso sempre saber quando uma etapa chega ao fim... Se insistirmos em permanecer nela mais do que o tempo necessário, perdemos a alegria e o sentido das outras etapas que precisamos viver. Encerrando ciclos, fechando portas, terminando capítulos. Não importa o nome que damos, o que importa é deixar no passado os momentos da vida que já se acabaram. Foi despedida do trabalho? Terminou uma relação? Deixou a casa dos pais? Partiu para viver noutro país? A amizade tão longamente cultivada desapareceu sem explicações? Pode passar muito tempo se perguntando por que isso aconteceu.... Pode dizer para si mesmo que não dará mais um passo enquanto não entender as razões que levaram a certas coisas, que eram tão importantes e sólidas na sua vida, serem subitamente transformadas em pó. Mas tal atitude será um desgaste imenso para todos: seus pais, seus amigos, seus filhos, seus irmãos, todos estarão encerrando capítulos, virando a folha, seguindo adiante, e todos sofrerão ao ver que você está parado. Ninguém pode estar ao mesmo tempo no presente e no passado, nem mesmo quando tentamos entender as coisas que acontecem connosco. O que passou não voltará: não podemos ser eternamente meninos, adolescentes tardios, filhos que se sentem culpados ou rancorosos com os pais, amantes que revivem noite e dia uma ligação com quem já se foi embora e não tem a menor intenção de voltar. As coisas passam, e o melhor que fazemos é deixar que elas realmente possam ir embora... Por isso é tão importante (por mais doloroso que seja!) destruir recordações, mudar de casa, dar muitas coisas para orfanatos, vender ou doar os livros que tem. Tudo neste mundo visível é uma manifestação do mundo invisível, do que está acontecendo no nosso coração... e o desfazer-se de certas lembranças significa também abrir espaço para que outras tomem o seu lugar. Deixar ir embora. Soltar. Desprender-se. Ninguém está a jogar nesta vida com cartas marcadas, portanto às vezes ganhamos, e às vezes perdemos. Não espere que devolvam algo, não espere que reconheçam seu esforço, que descubram seu gênio, que entendam seu amor. Pare de ligar a sua televisão emocional e assistir sempre ao mesmo programa, que mostra como sofreu com determinada perda: isso o estará apenas a envenenar, e nada mais. Não há nada mais perigoso que rompimentos amorosos que não são aceites, promessas de emprego que não têm data marcada para começar, decisões que sempre são adiadas em nome do "momento ideal". Antes de começar um capítulo novo, é preciso terminar o antigo: diga a si mesmo que o que passou, jamais voltará! Lembre-se de que houve uma época em que podia viver sem aquilo, sem aquela pessoa - nada é insubstituível, um hábito não é uma necessidade. Pode parecer óbvio, pode mesmo ser difícil, mas é muito importante.
Encerrando ciclos. Não por causa do orgulho, por incapacidade, ou por soberba, mas porque simplesmente aquilo já não se encaixa mais na sua vida. Feche a porta, mude o disco, limpe a casa, sacuda a poeira. Deixe de ser quem era, e se transforme em quem é. Torna-te uma pessoa melhor e assegura-te de que sabes bem quem és tu próprio, antes de conheceres alguém e de esperares que ele veja quem tu és.. E lembra-te: Tudo o que chega, chega sempre por alguma razão...


Fernando Pessoa

segunda-feira, 7 de Julho de 2008

The Story - Brandi Carlile


All of these lines across my face

Tell you the story of who I am

So many stories of where I've been

And how I got to where I am

But these stories don't mean anything

When you've got no one to tell them to

It's true...I was made for you

I climbed across the mountain tops

Swam all across the ocean blue

I crossed all the lines and I broke all the rules

But baby I broke them all for you

Because even when I was flat broke

You made me feel like a million bucks

Yeah you do and I was made for you

You see the smile that's on my mouth

Is hiding the words that don't come out

And all of my friends who think that I'm blessed

They don't know my head is a mess

No, they don't know who I really am

And they don't know what I've been through like you do

And I was made for you...

quarta-feira, 9 de Abril de 2008

3ªFesta Xantarim...


terça-feira, 26 de Fevereiro de 2008

David Bowie - Slow Burn



Here shall we live in this terrible town
Where the price for our eyes shall squeeze them tight
like a fist
And the walls shall have eyes
And the doors shall have ears
But we'll dance in the dark
And they'll play with our lives

Like a slow burn
Leading us on and on and on
Like a slow burn
Turning us round and round and round

But who are we
So small in times such as these
Slow Burn
Slow Burn

Oh, these are the days
These are the strangest of all
These are the nights
These are the darkest to fall

But who knows?
Echoes in tenement halls
Who knows?
Though the years snare them all

Like a Slow Burn
Leading us on and on and on
Like a Slow Burn
Twirling us round and round and upside down

There's fear overhead
There's fear overground
Slow Burn
Slow Burn

Like a Slow Burn
Leading us on and on and on
Like a Slow Burn
Turning us round and round and round

And here are we
At the center of it all
Slow Burn
Slow Burn

quinta-feira, 14 de Fevereiro de 2008

Kings Of Leon - The Bucket




Wooooo!

I'll be the one to show you the way
you'll be the one to always complain
3 in the morning come a bang, bang, bang
All out of fags and I just can't wait
Cancel the thing that I said I'd do,
I don't feel comfortable talking to you
Unless you got the zipper fixed on my shoe,
then I'll be in the lobby drinking for two

18, balding, star, Golden, fallen, heart

Look at the shaky's what's with the blush,
fresh off the plane in my fuzzy rush
Everyone's gathered to idolize me,
I hate the way you talk your Japanese scream
It's been too long since I left the shed,
you kick the bucket I'll swing my legs
Always remember the pact that we made,
too young to die, but old is a grave

18, balding, star, Golden, fallen, heart

I'm a gonna show the way
I'm a gonna show the way
I'm a gonna show the way

18, balding, star